– You had me at hello

No título desse post está provavelmente a fala mais famosa do filme Jerry Maguire: A Grande Virada [filme do diretor que corresponde a mim, segundo um teste que eu fiz ontem]. Mas por que uma fala dessas faz tanto sucesso (não somente entre os cults de plantão que veneram Cameron Crowe)?

Porque, por mais que neguem, as pessoas gostam sim de amor à primeira vista. Não tente discordar de mim, você sabe que no fundo também concorda. Ou você acha que é pura coincidência que comédias românticas sempre fazem mais sucesso do que qualquer filme que exija que você pense um pouco mais sobre o roteiro (vide o incompreendido Cachê)? Ninguém se apaixona de verdade em uma hora e meia, por mais que os filmes dêem a ilusão de que o tempo passa e confiança e amor podem ser construídos num roteiro de Hollywood.

Critico agora Closer, um filme que gosto muito. Mas a primeira cena que virou emblemática (quem não se emociona com aquela música Blower’s Daughter?) é patética. Não foi só porque o cabelo vermelho brilhante da Natalie Portman a destacava na multidão de engravatados em Londres que o Jude Law se apaixonou à primeira vista. Ela era bonita. Era isso mesmo: ela era linda.

E é isso que você procura quando anda na rua. Quem nunca flertou com um estranho? E não imaginou por cinco segundos uma possível história de amor verdadeiro, baseada nessa primeira olhada? Por isso que tanta gente acredita em destino: a gente queria se apaixonar à primeira vista.

Queria, mas não consegue. À primeira vista, ninguém é tão incrível assim. Eu, pelo menos, só consigo amar quando conheço manias e defeitos que tornam cada pessoa única. Mas admito — porque não quero ser hipócrita — que, antes disso, é a primeira vista, a primeira impressão que vale.

Então poupe o discurso “não sei viver se não for com você”, Jerry Maguire, a loirinha já tinha se derretido toda só no “olá”.

Anúncios

6 comentários em “– You had me at hello

  1. Ah, relaxa.. a guerra apenas começou. É só descosiderar essa batalha do Coringão. -q

    Poxa, isso de ver musica em filme e procurar depois é muito legal.. mesmo. Eu faço isso sempre quando assisto um episódio de meu seriado favorito, o Cold Case (não sei se conhece). Sempre que assisto procuro pelas musicas de trilha sonora que tocaram durante a série. É tão bom quando acho.. ;;

    É.. bem, quando se está apaixonado, há uma certa dúvida. Tipo, “Será que eu o amo de verdade?? ” Mas de acordo como tempo e convicência, isso se torna uma certeza (se você está realmente apaixonada ou não). Apesar da dor, eu descobri que gosto de amar alguém.. é estranho, mas é bom. Pricipalmente se você sabe que a outra pessoa sente o mesmo por ti. =)

    Hum, foi só eu falar que ele entrou lá(!) UAHAUHAUAHA Eu xinguei ele, tomara ele tenha ouvido. (q) O filho da mãe lê Stephen King.. E nunca me falou!! HAHAHA Okay, fiquei supresa. Pois eu leio esse autor também. Deve ser um novo conhecimento (?) Quero só ver a frequência dos posts dele a partir de hoje.

    Que bom não se importa muito com o fato de se decepsionar com as pessoas previsíveis. Não vale a pena, eu acho. Surpresas inesperadas são mais emocionantes.. (:

    Sobre este post:
    Paixão.. algo imprevisível! =D
    É.. eu sei porque. rs

  2. Não , não! Só torço pro time que está ganhando.. isso quando eu vejo algum jogo. =D

    Own fuck! Cold Case é paixão. As histórias, as músicas que tocam nos flash-backs.. é demais! *-* O Blank também é viciado, acho que ele ainda assiste no SBT. -q Ah, sei.. essa musica do Lifehouse é tão linda.. ‘And I don’t know why.. I can’t keep my eyes off of you..’ ♥ Penso nele quando escuto.. ;;’ -Ow, que saudade daquele desgraçado (!!) Ah! As musicas do Smallville também são demais.. minha amiga me emprestou o cd da trilha sonora de uma temporada e gostei bastante. :D

    Acho que sei o livro que você leu do King.. estava lendo uns contos deste. Por acaso se chama ‘TRIPULAÇÃO DE ESQUELETOS’ ?? Eu acho demais aquele conto que o médico cirurgião vai parar sozinho numa ilha e começa a comer partes de si mesmo para sobreviver.. é esquisito, mas ao mesmo tempo tão legal o jeito que ele descreve(!) =)

    Puts, do Salinger eu só achei esse que ele leu: O Apanhador no Campo de Centeio (acho que é esse o título, me corrija se eu estiver errada). Tenho quase certeza de que ele se identificou com a história.. parece familiar pra mim -comparado ao que conheço sobre ele (q). Esse autor tem outros títulos, mas não tive alcanse ainda. Vou procurar na biblioteca perto da minha escola, mas não tenho tanta esperança de achar, pois é pequena essa biblioteca. ;; Sabe ou já leu mais algum dele além deste?? Se a resposta for ‘sim’, me fale depois por favor. :)

    Sim, imprevisíveis forever.. loucos! HAHAUAHAHAUUA -ignore

    Opa! Vou adicionar sim.. para batermos um papo legal depois. Não é o meu msn mesmo, com meu nome. Mas é o que mais uso ultimamente. Te chamarei lá assim que me aceitar e estiver online, okay?

    Beijos Cami-laaa! Tu é demais meninaaa!! =)

  3. Aaaah menine, se eu te falar que quando a gripe suina explodiu, de cara lembrei do livro. Mas believe me, os porquinhos do livro são muito piooores… saca aquele jargao “porcos capitalistas”? Acho que foi do livro que saiu…

So what?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s