Eu estava com medo de ouvir música. Não uma música em particular, não varias músicas em particular, eu estava com medo de ouvir qualquer música. Eu estava com medo de pensar, novamente em qualquer coisa, e não conseguir mais voltar. Eu estava com medo de ver filmes, ler contos, ouvir histórias e me transformar em ficção. Eu estava com medo de me entorpecer, de que meu cérebro decidisse que não queria mais voltar. Estava com medo de permanecer lúcida e aceitar que meu medo era justificável.

Eu estava com medo da estrada, de andar sobre ela e reescrever todas as vezes que estive ali – eu estava com medo de esquecer, mesmo que ninguém se lembre mais. Quando ninguém mais se lembra de algo, é a mesma coisa de não ter acontecido? Talvez por isso eu devesse ter começado a caminhar por essa estrada antes, mas ainda tinha medo.

Cheguei a me perguntar se seria coerente perguntar a você como você fez: é realmente uma imitação ou você se enganou? Mas não tenha medo como eu tive, porque o que sinto, sinto por sentir – quem quer desejar algo que mesmo que se desse certo, daria errado? Quem é estupido suficiente para desejar algo tão leve, tão volátil, tão mentiroso? Eu não quero ser essa pessoa. Eu não serei. Sinto porque não consigo não sentir, porque se pudesse não sentiria, e sendo assim não farei nada com isso. E tudo será como tem sido.

A noite começou a me assustar, minhas coisas favoritas me aterrorizavam. Eu tinha medo. Eu estava com medo de fazer coisas que nunca fiz, e medo de fazer coisas que já fiz antes. Eu estava com medo. Eu estava apavorada.

Essa semana fiquei surpresa de perceber que peguei meus fones de ouvido antes de sair de casa como sempre fiz antes de tudo. Eu ouvi aquela música, e aquela outra música, e aquela outra música também. Se isso aconteceu, talvez as promessas do tempo sejam verdadeiras, e algum dia tudo isso vai acabar como se nunca houvesse começado.

– You make me embarrassed when you say these things to me.

I paralyzed. Since when love is embarrassing? Love is ridiculous, that I knew, but embarrassing? Well, she lost me there. She lost me twice. Embarrassed should be me, sitting there, putting myself out, begging and making a scene for something that clearly was not worth it. Reality yelled so hard at my ears that made me close my eyes.

Anúncios

So what?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s